Luminescência: Antologia poética (Viatchesláv Kupriyánov)

    R$ 34,90 R$ 34,90 34.9 USD

    R$ 34,90

    Option not available

    This combination does not exist.

    Adicionar ao carrinho


    30-day money-back guarantee
    Free Shipping in U.S.
    Buy now, get in 2 days


    Conhecida em diversas línguas, a poesia de Viatchesláv Kupriyánov é agora apresentada ao leitor brasileiro por Aurora Fornoni Bernardini, que assina a tradução, diretamente do russo, de Luminescência: antologia poética. Nascido em 1939 em Novosibirsk, na Sibéria, Kupriyánov começou a publicar nos anos 1960 enquanto cursava a Faculdade de Tradução do Instituto de Línguas Estrangeiras de Moscou. Se no início de sua carreira seus versos livres (e satíricos) causaram estranhamento aos críticos russos (à diferença dos europeus), hoje Viatchesláv é reconhecido em seu país justamente por ser um dos pioneiros desse estilo.
    Dono de uma escrita interessante e engenhosa, com flechadas de ironia em momentos de puro lirismo, Kupriyánov nos coloca diante de questões intrinsecamente humanas, como o tempo, o amor e a morte, sem deixar de lidar com elementos da atualidade.

    Tradução e seleção: Aurora Fornoni Bernardini
    Prefácio: Daniela Mountian
    Capa e design: Fabiola Notari
    ISBN: 978-85-6109-604-5
    Formato: 14x21cm
    Peso: 0,206kg
    Páginas: 168

    1ª edição: mar/16


    Sobre o autor

    O poeta Viatchesláv Kupriyánov (1939) nasceu em Novosibirsk, na Sibéria, e mora há muitos anos em Moscou, onde se formou, em 1967, no Instituto de Tradução de Línguas Estrangeiras. Ao longo dos anos, traduziu para o russo textos de diversas línguas, sobretudo do alemão e do inglês, de autores como Bertold Brecht, Erich Fried, Günter Grass, Novalis e Rainer Maria Rilke. A atividade de tradutor fez com que Kupriyánov, em 1976, se tornasse membro da União dos Escritores Soviéticos, por recomendação de Lídia Ginzburg (1902-1990), crítica literária soviética, e, em 2010, recebesse o Prêmio Búnin. Logo que entrou na Faculdade de Tradução, ele começou a publicar seus poemas. O primeiro saiu em 1961 na revista O estudante soviético (Soviétskii studient) e o segundo um ano depois em A verdade moscovita (Moskóvskii pravda). Mas, nos anos 1960, a grande divulgação de sua obra aconteceu boca a boca: recitava suas criações em clubes e bibliotecas de Moscou.
    Desde o princípio, escrevia poemas não metrificados. Com efeito, o que mais caracteriza Kupriyánov na Rússia é o fato de ter sido um dos pioneiros do verso livre, do verlibr, tendência que “inaugurou” na poesia russa contemporânea ao lado dos poetas Vladímir Buritch (1932-1994), Arvo Mest (1937-1997) e Guennádi Alekséiev (1932-1987). Se, no início, seus versos livres causaram estranheza aos críticos russos, que os viam como uma "traição à tradição", como nota Vera Khorvat, "num país de grandes mestres da versificação", hoje Kupriyánov é dono de uma carreira sólida e bem-sucedida. Além de traduzido para diversas línguas (alemão, armênio, búlgaro, cingalês, croata, flamengo, francês, holandês, indiano, inglês, polonês, português, romeno e sérvio), é um autor bastante original e premiado (Prêmio da Rádio SWR/Bestenliste, Prêmio do Ministério de Cultura  e Educação da Áustria, Prêmio Internacional Branko Radičević, Prêmio Maiakóvski de Literatura Russa, entre outros). 

    Com humor e ironia, a poesia de Kupriyánov trata de temas universais, como o amor e o tempo, sem desprezar as questões pungentes do mundo caótico em que vivemos.

    Alguns livros: A vida anda (1982), O manuscrito inacabado (1991), O telescópio do tempo (2003), Tempos melhores (2003).

     

    Imprensa
    Revista São Paulo, Folha de S. Paulo 17/04/16, por Manuel da Costa Pinto
    Nezavíssimaia 25/05/16
    Modo de usar & co. 25/12/16

    Sobre a tradutora e artista plástica
    Aurora Fornoni Bernardini, ensaísta, escritora, pintora e tradutora, nasceu na Itália e aos 13 anos se mudou com seus pais para o Brasil. Formou-se em Línguas Orientais (Russo) e Anglo-germânicas pela Universidade de São Paulo (USP), onde ainda concluiu seu mestrado, doutorado e livre-docência. Atualmente é professora de pós-graduação da USP nas disciplinas de Literatura e Cultura Russa, Teoria Literária e Literatura Comparada. Traduziu diversos livros do russo, como Ka, de Velímir Khlébnikov (Perspectiva, 1977); O Tenente Quetange, de Iuri Tyniánov (Cosac Naify, 2002); Maria: uma peça e cinco histórias, de Isaac Bábel (Cosac Naify, 2003, com Homero Freitas de Andrade); Indícios Flutuantes, coletânea de poemas de Marina Tsvetáieva (Martins Fontes, 2006); O exército de cavalaria, de Isaac Bábel (Cosac Naify, 2006, com Homero Freitas de Andrade); Vivendo sob o fogo: confissões, de Marina Tsvetáieva (Martins, 2008); “Os sonhos teus vão acabar contigo”: prosa, poesia, teatro, de Daniil Kharms (Kalinka, 2013, com Daniela e Moissei Mountian). Em 2004, ficou, com Haroldo de Campos, na segunda colocação do prêmio Jabuti pela tradução de Ungaretti: Daquela Estrela à Outra (Ateliê, 2003). Em 2006, foi vendedora dos prêmios APCA (com Homero Freitas de Andrade) e Paulo Rónai, respectivamente pelas traduções de O exército de cavalaria e Indícios Flutuantes. Em 2007, foi contemplada com o Jabuti (terceiro lugar) também por Indícios Flutuantes. Em 2014, foi finalista do Jabuti pela tradução de “Os sonhos teus vão acabar contigo”: prosa, poesia, teatro, com Daniela e  Moissei Mountian. 
    Fabiola Notari é artista visual e pesquisadora. Doutora em Literatura e Cultura Russa (DLO/FFLCH/USP), mestre em Poéticas Visuais pela Faculdade Santa Marcelina e bacharel em Artes Visuais pelo Centro Universitário Belas Artes de São Paulo, onde leciona desde 2012. Desde 2014 coordena o Grupo de Estudos Livros de artista, livros-objetos: entre vestígios e apagamentos.

    Conhecida em diversas línguas, a poesia de Viatchesláv Kupriyánov é agora apresentada ao leitor brasileiro por Aurora Fornoni Bernardini, que assina a tradução, diretamente do russo, de Luminescência – antologia poética. Nascido em 1939 em Novosibirsk, na Sibéria, Kupriyánov começou a publicar nos anos 1960 enquanto cursava a Faculdade de Tradução do Instituto de Línguas Estrangeiras de Moscou. Se no início de sua carreira seus versos livres (e satíricos) causaram estranhamento aos críticos russos (à diferença dos europeus), hoje Viatchesláv é reconhecido em seu país justamente por ser um dos pioneiros desse estilo. Dono de uma escrita interessante e engenhosa, com flechadas de ironia em momentos de puro lirismo, Kupriyánov nos coloca diante de questões intrinsecamente humanas, como o tempo, o amor e a morte, sem deixar de lidar com elementos da atualidade.

    • ISBN : 9788561096038
    • Formato 210.0 x 140.0
    • Peso 0.206
    • Páginas 168
    • Disponível em
    • Book status