A Arte do Romance (Virgínia Woolf; Denise Bottmann; Ivan Pinheiro Machado. L&PM) [LIT000000]

    R$ 21,90 R$ 21,90 21.900000000000002 USD

    R$ 21,90

    Option not available

    This combination does not exist.

    Adicionar ao carrinho


    30-day money-back guarantee
    Free Shipping in U.S.
    Buy now, get in 2 days

    Além de ser uma das vozes mais geniais da ficção moderna, Virginia Woolf (1882-1941) foi articulista, crítica literária e professora de literatura. Antes de lançar seu primeiro romance, A viagem, em 1915, já tinha um nome consolidado na cena intelectual londrina, participando do famoso grupo de Bloomsbury e colaborando com os principais periódicos ingleses. Aqui estão reunidos nove dos melhores textos da autora sobre a arte do romance. Versando sobre a escrita ficcional, o prazer da leitura, o papel da mulher na literatura e outros temas, estes artigos são ainda pouco conhecidos do leitor brasileiro. O que se vê é um gênio literário que também nos seus textos de não ficção mergulhava nos mais profundos questionamentos, com uma voz radicalmente original e viva, que não cessa de ecoar. "1) Livro que reúne alguns dos mais célebres ensaios e artigos de Virginia Woolf sobre literatura, a maior parte dos quais foram publicados em periódicos, no período em que a autora trabalhou como crítica literária. 2) Reúne 9 textos, entre os quais “Como ler um livro” e o feminista “As mulheres e a literatura”. 3) São pouquíssimas as edições que trazem ao leitor brasileiro os textos curtos não ficcionais da autora. Atualmente, só está disponível nas livrarias Profissões para mulheres e outros artigos feministas (L&PM Pocket, 2012), que é um êxito de vendas. 4) A autora se debruça não apenas sobre a natureza da literatura, mas também sobre a recepção da mesma, refletindo sobre o papel e a natureza do leitor, o efeito da literatura na vida das pessoas. Mais que um livro de crítica literária, é um livro para amantes de livros. 5) Tradução de Denise Bottmann, uma das melhores tradutoras de não ficção inglesa da atualidade, que verteu ao português também os romances Mrs. Dalloway (L&PM Pocket, 2012), Ao farol (L&PM, 2013), além de Profissões para mulheres e outros artigos feministas. 6) Virginia Woolf era uma estudiosa da arte literária, como atesta sua ficção, experimental. Como tal, e como crítica literária, era uma estudiosa do fenômeno “literatura”. Os amantes dos livros ficarão deleitados com suas reflexões, como: “o único conselho sobre leitura que alguém pode dar a outra pessoa é não aceitar conselhos, seguir seus instintos, usar sua razão, chegar a suas próprias conclusões” (De “Como ler um livro”); “A culpa é das palavras. São as coisas mais indômitas, mais livres, mais irresponsáveis, mais intransmissíveis de todas” (De “Craftsmanship”). 7) Um dos principais nomes do modernismo, a autora mostra ousadia também no refletir sobre a arte, libertando leitores e a crítica literária dos grilhões do tradicionalismo e do academicismo. 8) Assemelha-se a outros títulos disponíveis na Coleção L&PM POCKET que são êxito de vendas, como A arte da ficção, de David Lodge, e A arte de escrever, de Arthur Schopenhauer."

    • ISBN : 9788525437563
    • Formato 178.0 x 107.0
    • Peso 0.128
    • Páginas 160
    • Disponível em 2018-06-21
    • Book status

    Virgínia Woolf

    Virginia Adeline Stephen Woolf nasceu em Londres, Inglaterra, em 1882. Seu pai, um crítico literário, foi quem a educou. Figura central do grupo Bloomsbury, do qual também participaram E. M. Forster, Katherine Mansfield, Maximo Gorki, entre outros, colaborava com o Times Literary Supplement. Em 1912, casou-se com Leonard Woolf e fundou a casa editorial Hogarth Press, que lançou, além da própria escritora, T.S.Elliot, Forster e K. Mansfield. Foi a primeira editora a publicar a obra de Freud em inglês. Seu primeiro livro, A viagem, foi publicado em 1915. Depois vieram, entre outros, Noite e dia (1919), Mrs. Dalloway (1925), O quarto de Jacob (1922), Rumo ao farol (1927), Orlando (1928), Um teto todo seu (1929), As ondas (1931). No início da década de 1930, Virginia já apresentava um histórico de saúde mental frágil, que culminaria no seu suicídio, em 1941.